Bacanudo 021: É Probido Discordar!

 

No Bacanudo #021: Pedro DuarteNícolas Queiros e Fabio Ayçar (FatFr0g) discutiram o mundo novo onde tudo é imediato e polarizado! Se você discorda, você é ruim, cara… Má pessoa (é por aí).

Rolou no Bacanudo #021

  • Só existe extremo!
  • Se você discordar, você é ruim, cara… Cuidado!
  • Rachel Charizard é complicada…
  • Existe resposta pra tudo!

Feed (assine ontem!)

iTunes (SIM!)

Facebook Bacanudo

Twitter dos Bacanudos

Emails

  • bacanudo@bacanudo.com.br

 

Compartilhe:Share on Facebook55Tweet about this on TwitterShare on Google+2
Author
Bacanudo existe desde 2013 e está presente sempre que coisas bacanas acontecem! Além de tentar produzir conteúdo diferente e divertido!
  • Vocês abordaram muitos temas polêmicos em um mesmo guarda-chuva, mas fizeram de uma forma muito interessante.
    Gostaria de acrescentar um ponto ao que vocês discutiram na parte em que minha opinião mais se afasta da de vocês, ao menos no que vocês expressaram no episódio.

    Vocês compararam uma pessoa ser gay, no caso das regras da Folha, a vestir camiseta de time, ou portar um eletrônico, achei isto equivocado, já que uma pessoa É gay, ela não ESTÁ gay.
    Não dá pra pessoa escolher, hoje vou deixar meu lado gay em casa. Imaginem alguém dizendo a um baiano, olha, esse lugar aqui você não pode falar com sotaque de baiano pois as pessoas não aceitam, ou a um negro, tente ser menos negro, pra que as pessoas não te importunem, ou agridam.
    E nesse sentido, os conselhos da folha vai exatamente contra a luta dessas pessoas em terem seus direitos a existir reconhecidos, eles poderiam ter optado por ter feito uma matéria positiva, estimulando as pessoas a aceitarem e reconhecerem os direitos em vez de recomendar a tática de se esconder, a intenção é boa, mas o resultado não. Pensem na época do Apartheid os jornais aconselhando aos negros, andem em grupos, evitem lugares abertos, e se passarem por brancos abaixem a cabeça.

    Outro ponto, no caso da Charizard, a questão, acredito, é Datena e Gil Gomes, são o samba de uma nota só, ninguém realmente leva eles à sério, percebem que eles estão fazendo tipo, no caso dela, muitas pessoas consideram a opinião dela, seria a mesma coisa se fosse Boris Casoy ou Herodo Barbeiro, ou William Bonner falando uma frase como a dela, não dá para apenas ignorar, na época em que os nazis ascendiam ao poder na Alemanha muitos ridicularizavam ou ignoravam o que eles faziam, achavam que não daria em nada, mas como eles pegaram o ponto fraco da nação aos poucos eles chegaram onde chegaram e deu no que deu, se a fala dela, por si só, parece inofensiva, ainda assim alimenta, valida e justifica as ações de um grupo perigoso, e não são necessários muitos lobos para acabar com um rebanho de ovelhas, e já temos lobos demais, não precisamos criar novos.

    Achei a reflexão de vocês interessante e oportuna, vou procurar lembrar delas quando for ouvir e responder as opiniões das outras pessoas.

    • Pedro Duarte

      Ivan, muito legal o seu comentário!

      De fato, gay não é um estado. E o que foi proposto foi mesmo sem noção (vamos atenuar!). O que falamos, acredito que deu pra expressar e tudo (porque você também entendeu), é que o sujeito até teve uma intenção boa.

      Mas, acaba passando por cima do problema que é enraizado no nosso país e em muitos lugares e ignorar quem você é não é a solução!

      Vendo o seu comentário penso que seria muito mais oportuno cobrar mais segurança e promover a igualdade do que fazer um “guia” como aquele! É como o Fabio falou durante o episódio, é tratar de forma superficial e não resolver nada.

      Já sobre a Rachel Sherazade (a nossa Charizard!), não concordo com isso, acho uma opinião vazia e no achismo (o que pra mim foge de qualquer conceito do que é jornalismo) e de uma pessoa sem credibilidade anterior.

      Poderia ser eu ou você na TV e a gente daria a mesma importância. Acho que a gente devia medir isso.

      Obrigado e concordo com tudo o que você falou! Espero que tenha gostado do episódio!

      • Pedro, eu deveria ter relido mais uma vez antes de enviar, meu parágrafo sobre a Charizard ficou uma zona.
        Apesar de você ter razão sobre a opinião dela ser vazia, o que quis pontuar é que ela fala o que um certo grupo quer ouvir, e é um grupo barulhento, além disso ela tem o respaldo de estar no principal veículo de notícias da emissora, com um histórico crescente de opiniões polêmicas, desde a emissora anterior, volta e meia vejo pessoas compartilhando vídeos com falas dela para validar seus pontos de vista, e não são pessoas incultas ou “humildes”, são policiais, engenheiros, alguns formado em mais de uma faculdade.
        É uma pena isso, mas acho que neste último vídeo só houve essa grita porque outras pessoas se cansaram e resolveram dar um “para com essa porra!”, no fim ela conseguiu o que queria, mas também ficou exposta.

        • Pedro Duarte

          Acho massa você chamá-la de Charizard também! \o/

          Mas, é verdade: ela teve tanta notoriedade que vai ter de tomar cuidado com as próximas vezes… E acho que vamos ter próximas vezes, hein?!

          Abraços!

  • fernandovezzali

    Ótimo episódio, Bacanudo está se tornando um dos meus TOP 5 (podcasts). Parabéns para toda a equipe. Abraços.

  • Oi pessoal do bacanudo. Eu sou o Boaz do ATPCast e do Blog Taberna Internetica. Muito legal o tema abordado neste episódio 21. Caras, concordo plenamente que hoje temos uma ditadura do opinionismo politicamente correto. Baiano, gosto dos seus comentários. Vocês conseguem ser divertidos e informativos ao mesmo tempo. Continuem o bom trabalho.

  • Obrigado, agora eu consigo chamar a mulher de Charezard. =P

  • Isso ai, primeiro podcast do site Bacanudo que ouvi, e aprendi que devemos concordar em discordar, ou não, vai de cada um, ou alguém acha que estou errado?

    • Pedro Duarte

      Eu não acho nada! hahaha

  • Pingback: Podcast Post 019: Os melhores podcasts com Fabio FatFrog | Nerdópole()

  • Bianca Bonbana

    Não está disponível p/ download?

  • Flavio Jose Silva

    Não está disponível pra baixar.